O DESAFIO DA ESCOLHA PROFISSIONAL

Por 30 de agosto de 2018Notícias

Maíra Amaral de Andrade

[email protected]

 

O que o trabalho causa em seu psiquismo?

Que emoções e sentimentos despertam?

Que realizações ou frustrações causam?

Como isso repercutirá em relação à família, amigos, sono, apetite, digestão?

 

Uma inadequada e, portanto, empobrecedora escolha vocacional vai gerar ao longo da carreira profissional uma constante ou crescente sensação de desprazer, um sentimento de frustração intermitente ou permanente. Essa frustração psico-afetiva abre caminho para o estresse, para repercussões psicossomáticas que podem comprometer a saúde mental.

Ao contrário, uma escolha adequada aumenta a probabilidade de que o jovem – e depois o adulto – consiga aliar, ao invés de opor, o princípio do prazer ao princípio da realidade.

O trabalho pode ser apenas um recurso de sobrevivência, mas pode ser também a parte mais significativa da vida interior de um ser humano, de realização de um projeto existencial.

O que o trabalho, a profissão e a carreira significam, e que efeitos eles têm em relação às variáveis que compõem o que se chama sucesso e satisfação pessoal?

A profissão escolhida, os estudos feitos, as ocupações exercidas, as funções desempenhadas dão ao indivíduo sentimentos de prazer e de realização pessoal, de estar fazendo o que gosta e que corresponde aos seus ideais de vida?

Imaginar o que possa resultar em satisfação pessoal e/ou em sucesso no trabalho é sempre uma questão controversa, de puro foro íntimo, e de “filosofia de vida”.

Depende essencialmente de que?

De uma excelente remuneração, de encontrar facilmente um emprego, fazer uma carreira ascendente e rápida, ter prestígio e status, ser benquisto, ter poder, ficar rico, ser líder, alcançar segurança e estabilidade, sentir-se competente e eficiente, contribuir para o bem comum, fazer o que sua consciência pede ou manda e estar em paz com ela, etc.

Todas as variáveis como escolha vocacional e profissional, a complexa equação do sucesso, a satisfação na vida do trabalho, está estritamente ligada ao sentimento de realização na vida pessoal, dando sentido à sua vida global.

É lamentável que, para muitos jovens em dúvida na hora de escolher uma profissão, o problema continue sem solução satisfatória. Para adiar um pouco mais a escolha e a decisão, vários deles se candidatam ao mesmo tempo a diferentes cursos – alguns tão diferentes e disparatados como engenharia e teatro, história e arquitetura, etc.

Usualmente esses casos indicam conflitos vocacionais, uma divisão interna na escolha, ou uma crise decisória. E isso não acontece somente às vésperas do acesso ao curso superior ou profissionalizante. Sucede também, não raramente, no meio dos estudos universitários e até mesmo depois de concluída sua formação profissional, já em plena vida de trabalho. Nessas condições, esses indivíduos decidem às vezes mudar de profissão, estudar novamente para outra carreira inteiramente diversa.

O que se pode fazer para minimizar conflitos da escolha?

E a ansiedade do que vem pela frente?

E a pressão imposta pelos pais mediante a aprovação na universidade?

Esses e outros conflitos podem ser minimizados na Orientação Vocacional / Profissional, onde requer um processo colaborativo entre o psicólogo e o seu cliente.

O psicólogo terá a tarefa de dirigir a escolha tendo como base informações levantadas pelo cliente. Por outro lado, o cliente deve imbuir-se da necessidade de buscar as suas verdades, e ir fundo na tarefa de se conhecer e reconhecer, para decidir autônoma e responsavelmente os rumos que constituirão seu futuro profissional e se futuro de vida.

A Orientação Vocacional / Profissional é um processo que cruza informações de interesses aliados à aptidão, ou vice versa.

Ajuda a prognosticar, com certo grau de probabilidade, mas nunca com certeza, o sucesso e /ou a satisfação pessoal na execução de um projeto de vida de trabalho.

Além dos interesses e aptidões, influenciam também na escolha, os valores, crenças e aspirações. Tudo isso, interligado ao contexto familiar e social.

Muitas das vezes, a escolha acaba não sendo apenas do indivíduo, mas sim de toda a família.

Procure mais informações sobre Orientação Vocacional.

Vale a pena investir no seu futuro.

 

 

 

Esta matéria faz parte da edição de agosto /setembro da revista Saúde & Cia.

 

 

 

 

Abraços, equipe NIDH

Deixe uma Resposta