Por que e quando buscar atendimento psicológico?

Por 30 de outubro de 2017Notícias

*Maíra A. Andrade

A ida ao Psicólogo não pode ser vista como um bicho de sete cabeças, nem uma medida para casos extremos, como muitos ainda acreditam. Atualmente estes profissionais tentam difundir que a prevenção deve ser a grande preocupação de todas as pessoas quando o assunto é saúde mental. Em muitos casos vemos pessoas que adiam a ida ao psicólogo por acreditar que este não seja o melhor caminho para elas. Isso se deve à falta de informação, pois infelizmente ainda existe o pré conceito de que psicólogo é alguém com quem a pessoa irá “bater um papo” e isso poderia ser feito com qualquer pessoa: amigos, familiares, cônjuge… Porém, com esse pensamento errôneo, o que ocorre é que muitas pessoas só vão se convencer de que é necessário buscar apoio psicológico quando a situação já se agravou e chegam aos consultórios esperando soluções milagrosas. Assim, como também não é raro vermos quem ainda associe psicoterapia como solução para “desequilíbrio” ou “loucura”. Não iremos entrar na questão da “loucura” ou daquilo que é considerado normal ou patológico, mas vamos aqui pontuar alguns motivos bem válidos para que alguém decida procurar um psicólogo:

  • Busca de autoconhecimento – A busca pelo autoconhecimento pode auxiliar em diversas áreas da vida, como as relações e o desenvolvimento profissional, por exemplo.
  • Sentimentos constantes de tristeza, ansiedade, estresse, raiva, desânimo – O psicólogo poderá auxiliar na identificação desses sentimentos, e verificar se há algum tipo de patologia e lhe fornecer o direcionamento correto para acompanhá-la.
  • Situações difíceis – Diferentemente das pessoas com quem você já convive, o psicólogo não te dirá o que você deve fazer, mas te ajudar a pensar com maior clareza e a desenvolver a sua capacidade de solucionar conflitos.
  • Sentimento de culpa ou dificuldade de lidar com o passado – Iniciar psicoterapia então será muito importante para que essas questões passadas sejam melhor elaboradas, superadas e não mais impeçam que se viva de maneira satisfatória.
  • Separações, lutos, perdas ou mudanças – Um psicólogo pode ajudar ao paciente a entender o momento vivido, a encontrar as melhores formas de aceitar e enfrentar. Além, é claro, de ter uma observação atenta para a ocorrência de sinais que indiquem o surgimento de algum transtorno.
  • Dificuldades de relacionamento – É possível que a busca pelo psicólogo seja uma forma de desenvolver cada vez mais as habilidades de relacionamento e investir nesse aspecto.
  • Manias, medos, comportamentos alterados – É possível que os seus medos em excesso, comportamentos que você não tem conseguido controlar ou “manias” queiram lhe dizer que algo não vai bem e um psicólogo com certeza poderá lhe ajudar a identificar isso.
  • Curiosidade ou vontade – Isso mesmo, você pode ir ao psicólogo simplesmente porque tem curiosidade ou vontade de fazer psicoterapia! É possível que você se surpreenda muito com esse encontro e que o processo te ajude a se desenvolver em muitos aspectos.
  • Prevenção – É importante que saibamos que a Psicologia se faz cada vez mais presente em nosso cotidiano e não somente na clínica. Quanto mais conhecermos acerca de seu papel na sociedade, melhor entenderemos sobre sua contribuição para a nossa vida particularmente.

 

 

 

Maíra Amaral de Andrade – Psicóloga (CRP 05/32352), Orientadora Vocacional com foco em Avaliação Psicológica. Na área clínica trabalha com adolescentes com Terapia Cognitivo-Comportamental. Atualmente é Diretora e Responsável Técnica do NIDH, empresa especializada na prestação de serviços na área da Psicologia. Paralelo ministra cursos e palestras relacionados à área de Recursos Humanos, Avaliação Psicológica e Orientação Vocacional.

 

Esta matéria foi publicada na Revista Saúde & Cia da edição de Setembro/Outubro de 2017:

Abraços, Equipe NIDH

Deixe uma Resposta