Transtornos escolares – Como identificar?

Por 18 de junho de 2018Notícias

MAÍRA AMARAL DE ANDRADE

[email protected]

            Nos últimos anos, os problemas comportamentais na infância e da adolescência tem recebido especial atenção de profissionais da saúde mental infantil, educadores e pais.

São milhares de estudantes brasileiros com prejuízos acadêmicos e que precisam desenvolver estratégias para lidar com dificuldades emocionais, aprendendo habilidades sociais e comportamentais para levarem uma vida mais feliz e equilibrada.

A avaliação comportamental em crianças e adolescentes depende de uma cuidadosa e criteriosa investigação clínica realizada por uma equipe composta por profissionais especializados no comportamento infantil.

Essa investigação deve envolver um detalhado estudo clínico e avaliação comportamental completa dividido em cinco etapas:

– Avaliação com os pais ou responsáveis;

– Avaliação da escola;

– Avaliações complementares;

– Aplicação de escalas padronizadas;

– Avaliação da criança ou adolescente.

 

Veremos abaixo alguns transtornos que podem ser identificados no ambiente escolar:

– Bulliyng à Esse é um termo inglês sem tradução para i português que define o comportamento agressivo entre estudantes. São atos de agressão física, verbal ou moral que ocorrem de forma repetitiva, sem motivação evidente e executados por um ou vários estudantes contra outro, em uma relação desigual de poder, normalmente dentro da escola, ocorrendo principalmente na sala de aula e no recreio.

– Transtorno opositivo desafiador (TOD) à É definido como um padrão persistente de comportamentos negativistas, hostis, desafiadores e desobedientes observados nas interações da criança com adultos e figuras de autoridade, como pais, tios, avós e professores.

– Transtorno de conduta à É um conjunto de alterações comportamentais apresentado principalmente em adolescentes que são agressivos, desafiadores, antissociais, em que violam os direitos básicos alheios, as regras e as normas sociais. Trata-se de uma condição mais grave quando comparada ao transtorno opositivo desafiador, sendo responsável por freqüente encaminhamento aos serviços de psicologia e/ou psiquiatria infantojuvenil.

– Transtorno de déficit de atenção / hiperatividade à É um dos transtornos comportamentais com maior incidência na infância e adolescência. Trata-se de uma síndrome clínica caracterizada basicamente sintomatologicamente: déficit de atenção, hiperatividade e impulsividade, mas não há a necessidade de que os três sintomas estejam presentes simultaneamente.

– Depressão infantil à Crianças e adolescentes com depressão apresentam-se frequentemente com tristeza, falta de motivação, solidão e humor deprimido, contudo é comumente observado um humor irritável ou instável.

– Transtorno bipolar do humor à Tem como característica principal a fase maníaca do transtorno, apresentando alterações ou oscilações de humor, que pode ficar exaltado ou irritável. Também podem ocorrer oscilações com fases ou períodos de depressão, quando o estudante apresentará os sintomas clássicos da depressão infantil.

– Deficiência intelectual à Compreende habilidades intelectuais abaixo da média. Essas limitações causam diversos problemas no funcionamento diário na comunicação, na interação social, em habilidades motoras, cuidados pessoais e na vida acadêmica.

– Transtornos do espectro autista à É caracterizado por prejuízos na interação social, atraso na aquisição da linguagem e comportamentos estereotipados e repetitivos.

– Dislexia à É um transtorno de aprendizagem específico da leitura caracterizado por dificuldades de reconhecimento de letras, decodificação e soletração de palavras, decorrência de um comprometimento no desenvolvimento de habilidades fonológicas.

Além destes transtornos também é possível identificar: Transtornos alimentares, Transtornos de tiques, Transtornos ansiosos, Suicídio e comportamento suicida, Drogas, entre outras.

 

Esta matéria faz parte da edição de

junho/julho da Revista Saúde e Cia.

 

 

 

Maíra Amaral de Andrade – Psicóloga (CRP 05/32352), Orientadora Vocacional com foco em Avaliação Psicológica. Na área clínica trabalha com adolescentes com Terapia Cognitivo-Comportamental. Atualmente é Diretora e Responsável Técnica do NIDH, empresa especializada na prestação de serviços na área da Psicologia. Paralelo ministra cursos e palestras relacionados à área de Avaliação Psicológica, Orientação Vocacional e Terapia Cognitivo-comportamental com adolescentes.

 

Abraços,

Equipe NIDH

 

 

Deixe uma Resposta